Interviews

Profiles: Eduardo Menezes’ Journey to the Top of the Sport

2020.06.07.99.99 Profiles Eduardo Menezes HRM KR

Wellington, Florida, USA – June 07, 2020 – Eduardo Menezes (BRA) is our guest today, opening our ‘Profiles’ series, which aims to present a little more about key people in our noble sport to our audience.

An Olympic athlete and team medalist at the 2019 Pan American Games in Lima, the 40-year-old Brazilian rider stands out not only for his high stature, but also for the 43 FEI-level victories he has won competing in the most important showjumping circuits around the world.

Currently occupying the sixty-sixth position in the FEI world rider ranking, the “gaúcho” kindly answered our questions.

1) First of all, how are you and how have you faced COVID-19? Please, tell us about your routine in such a peculiar moment

I’m fine thanks to God, I’m with my family in Wellington waiting for everything to start to normalize to decide how to accommodate my calendar, this week national competitions started here which helps a lot. My daily work routine has not changed much because I am fortunate to ride in a private stables. We are all taking all precautions, being able to ride helps to keep a good and positive head in this difficult time.

2) Please tell us a little about your career: main phases (beginning, training, Brazil, Europe, Mexico and USA), main achievements.

I started to ride with my father at my uncle’s farm where there were Crioulo (Criollo) horses, until I got a pony called Pombinha and we took it to Santa Maria so I could ride on weekends. I’ve always been crazy about horses! My first riding instructor was General Armando Luís Malan de Paiva Chaves, in the military brigade of Santa Maria, state of Rio Grande do Sul, Brazil. Then, an important moment took place in Porto Alegre, for many years with Gustavo Dias, who was essential in my training as a rider and person. In January, 1999, I went to Belgium, where my international career began, but I didn’t have a good experience. At the end of that same year, I went to Mexico and there I started to make the contacts that served as the foundation of my career until today! I spent some time in the United States and two years in France and at the end of 2003, I returned to Mexico after two accidents while riding! In 2004, I started working for Henrique Gonzalez (MEX), with whom 3 years later I became a business partner. Then, in 2005, I started teaching classes to a family that was just starting out in the sport, who today own  “H5 Stables”, my clients, friends and sponsors!

My main achievements were with the Brazilian team because winning as a team always has a special flavor, with the most important ones being:

  • 2013  Nations Cup in Arezzo, Italy;
  • 2015 Nations Cup in Spruce Meadows, Calgary, Canada;
  • Team Gold at the 2019 Pan American Games  in Lima, Peru.

3) What led you to practice showjumping and choose it as a profession?

I have always been passionate about horses. My uncle had a farm, where I learned to ride and create this dependence on being around horses all the time. I started riding at the age of 8, deciding to be a professional early on when I was only 14!

4) What was/were the main difference(s) that you felt (in training, technical level, horses, etc …) abroad in relation to Brazil?

I think that each country has their history, comparing Brazil with the rest of the world is difficult and Europe even more so because it is a continent. For example, one of the great differences between Brazil and Europe in my opinion is that in Brazil, like the USA and Mexico, the sport is mostly urban, practiced in equestrian clubs. In Europe, the sport is rural, practiced by people from the countryside. I think we have an excellent level of horses and riders in Brazil, our geographical position creates a difficult financial distance from the big centers, Europe and the United States. The health issue (glanders) has to be resolved, this is actually much more political issue than of health, it would be a big step towards a closer gap between national and international showjumping.

2016.08.16.99.99 Rio Olympics Eduardo Menezes FEI Richard Juilliart

Eduardo Menezes (BRA) competing at the 2016 Rio Olympic Games 

5) What was the most remarkable and difficult moment in the sport in your career?

The most striking thing was stepping on the ring at Deodoro during the 2016 Rio Olympics, being the first combination to compete on the first day of events, this feeling I will never forget. It is difficult to choose difficult moments because I have had several, this sport of ours is a festival of difficult moments! Without a doubt, my most difficult time was living in France, when I had two horseback accidents, having to undergo two major orthopedic surgeries, which kept me off the rings for practically 1 year.

6) As a rider who travels a lot to participate in international circuit events, tell us an unusual story that few know.

Wow, there were a lot, lol lol lol… An annoying one happened when I was going to Canada. We had a group of 30 horses, counting the students’ horses and mine. In that specific year, Canada’s visa rules had been changed and the response time went from one day to 8 weeks. I only learned about the change when I went to apply for a visa six weeks before the date of the trip, making the process a real adventure. I got the visa only a week after the contest started, so my students and horses spent the first week in Canada while I was in the United States struggling to be able to travel.

7) What do you like to do for leisure, as a hobby?

I love sport in general, nowadays I play golf and enjoy everything that is in the water. I used to play a lot of volleyball in the past but it is not so easy to find a group to play.

8) Who was the most important person in your training as a rider and what role did he / she play? Main references (life examples) in and outside the sport.

My business partner, Henrique Gonzalez (MEX), who helped me a lot, giving me the opportunity to grow was indispensable and also the H5 Stables family, who gave me the means to get where I am! My great role models outside the sport are my parents, who gave me everything I needed, good examples and education to be able to face life. In general, in sports I have always had two idols, Ayrton Senna and Michael Jordan. As a rider, Rodrigo Pessoa (BRA) and Nick Skelton (GBR) have always inspired me.

2016.08.16.99.99 Rio Olympics Eduardo Menezes FEI Richard Juilliart 2

Eduardo Menezes (BRA) & H5 Quintol competing at the 2016 Rio Olympic Games

9) What was the most important horse in your career and why?

I had many horses that were extremely important at different times, but without a doubt, Quintol was the horse that “put me on the map”, who took me to my first Pan American Games and also fulfilled my dream of jumping at the Olympics in our country. In addition, we competed for two years in Aachen, which was a childhood dream of mine, we had many special moments!

10) Tell us a little about the team gold at the 2019 Pan American Games in Lima.

They were very special few weeks, it started in France where we had our training camp, Philippe Guerdat organized an excellent place where we worked our horses with efficiency, privacy and tranquility. In addition, we had fun and enjoyed being together, just the 5 of us with our grooms, plus him, Guerdat, and “Rogerinho” (Rogério Saito). In Lima, we were a group of 5 close friends who did everything together every single day! From breakfast until dinner, we also went to see other sports, I learned how to surf from Pedro Veniss (BRA) and Marlon Zanotelli (BRA), we walked, we concentrated on our goal! We really wanted this victory, and thanks to God and my great teammates, we managed to bring this medal home. We have to thank the entire technical team and mainly Phillipe , who played key role in our achievement.

2020.06.07.99.99 Profiles Eduardo Menezes HRM KR 3

Eduardo Menezes (BRA) & Magnolia Mystic Rose in the 2020 Longines FEI Jumping Nations Cup of the USA CSIO 5*

11) Despite the recent stint as a combination, what can you tell us about the partnership with Magnolia Mystic Rose, the Brazilian Sport Horse BH mare that you got good results with while competing at the 2020 Palm Beach Masters and Winter Equestrian Festival (WEF) in Wellington, Florida, USA ?

I am very happy with the partnership with Haras Rosa Mystica, Magnolia is a fantastic mare. Besides being talented, she is a warrior in the ring, she gives everything she has to the rider, this is very important. As you said, we are a new combination, I think we still have a lot to improve, this pause is giving us time to get to know each other better without the pressure of results in the contests.

2020.06.07.99.99 Profiles Eduardo Menezes HRM

Team Brazil at the 2020 FEI Nations Cup of the USA CSIO 5*: Nilson Leite – Haras Rosa Mystica’s Managing Director, Cassio Rivetti (BRA), Eduardo Menezes (BRA)        and Rodrigo Lambre (BRA).

12) How did this partnership come about and what are your perspectives regarding the upcoming Olympic Games with Magnolia Mystic Rose?

The idea of ​​the partnership started well back, late in 2018, Juan Bolaños who was riding the mare had the idea and presented it to Nilson Leite, from Haras Rosa Mystica. We had a meeting at my house and we already had a good contact but in the end we didn’t close anything and each of use went our way. We met again in Lima and talked about it again. Returning from Lima, the conversation continued and we started to structure how our partnership would be.

About Tokyo, I believe in it a lot, I still have to work hard, but I have faith that we will arrive in 2021 in good shape to compete for a spot. Today, Brazil is fortunate to have many strong combinations for this team, we have to get the results in the rings to have the chance to be called up. This is the great advantage of the current system, whoever shows in the ring that he is ready, he will have his chance, this is very clear and against results there are no arguments. I have complete confidence that Brazil will have the best team possible, it is my job to do the best to try to be in this group.

13) As an Olympic rider, winner of important events around the world and Pan American team champion, what advice do you have for young people, amateurs who dream of taking the same victorious path?

Perseverance!!!! Work hard and keep your head down and your feet on the ground. However, never give in because it is a difficult sport, in which we go through many more difficult times than great victories. Perseverance and discipline are very important!

PORTUGUÊS

Eduardo Menezes (BRA) é o nosso entrevistado de hoje, abrindo a série ‘Perfil’, que visa apresentar ao público um pouco mais sobre pessoas-chave do nosso nobre esporte.

Atleta olímpico e medalhista por equipe nos Jogos Pan-Americanos de Lima, o cavaleiro brasileiro, de 40 anos de idade, se destaca não só pela sua estatura, como também pelas 43 vitórias de nível FEI, conquistadas nos principais circuitos do mundo.

Atualmente ocupando a sexagésima-sexta posição do ranking mundial de cavaleiros, o gaúcho gentilmente respondeu às nossas perguntas.

1) Primeiramente, como você está e tens enfrentado a COVID-19, e nos fale sobre sua rotina em um momento tão peculiar?

Estou bem graças a Deus, estou com a minha família em Wellington, Flórida, USA, esperando que tudo comece a normalizar para decidir como acomodar o meu calendário, esta semana começaram os concursos nacionais por aqui o que ajuda muito. A minha rotina de trabalho diário não mudou muito porque tenho a sorte de montar num manege privado e estamos todos tomando todas as precauções, poder montar ajuda a manter a cabeça boa e positiva nesse momento difícil.

2) Por favor, nos conte um pouco sobre a sua carreira: principais fases (início, formação, Brasil, Europa, México e EUA), principais conquistas.

Comecei a montar com meu pai na fazenda do meu tio onde havia cavalos crioulos, até que ganhei uma pônei chamada pombinha e levamos para Santa Maria para que eu pudesse montar aos fins de semana. Sempre fui louco por cavalos! Meu primeiro professor de equitação foi o General Armando Luís Malan de Paiva Chaves na brigada militar de Santa Maria, estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Depois, um momento importante foi em Porto Alegre, por muitos anos com o Gustavo Dias, que foi essencial na minha formação como cavaleiro e pessoa. Em janeiro de 1999, eu fui para Bélgica, comecei trajetória internacional, onde não tive uma boa experiência. No final desse mesmo ano, fui para o México e lá comecei a fazer os contatos que deram a base da minha carreira até hoje! Passei um tempinho nos Estados Unidos e dois anos na França e no final de 2003 voltei para o México depois de dois acidentes a cavalo! Em 2004, comecei a trabalhar para o Henrique Gonzalez (MEX), de quem 3 anos depois me tornei sócio. Em seguida, em 2005, iniciei a dar aulas para uma família que estava começando no esporte, que hoje são os proprietários do “H5 Stables”, meus clientes, amigos e patrocinadores!

As minhas principais conquistas foram com a equipe brasileira porque ganhar em equipe tem sempre um sabor especial

  • Copa das Nações de 2013 em Arezzo, Itália,
  • Copa das Nações de 2015, em Spruce Meadows, Calgary, Canadá;
  • Ouro Pan-Americano de 2019 em Lima, Peru.

3) O que te levou a praticar o hipismo e escolhê-lo como profissão?
Sempre fui apaixonado por cavalos. Meu tio tinha uma fazenda, onde aprendi a montar e criar essa dependência de estar sempre em volta dos cavalos. Comecei a fazer equitação com 8 anos, decidindo ser profissional bem cedo quando tinha 14 anos!

4) Qual/Quais foi/foram a(s) principal/principais diferença(s) que você sentiu (formação, nível técnico, cavalos, etc….) no exterior em relação ao Brasil?

Acho que cada país tem uma história, comparar o Brasil com o resto do mundo fica difícil e a Europa ainda mais porque é um continente. Por exemplo, uma das grandes diferenças do Brasil para a Europa na minha opinião é que no Brasil, assim como USA e México, o esporte é na sua grande maioria urbano, praticado em clubes. Na Europa, o esporte é rural, praticado por gente do campo. Acho que temos um ótimo nível de cavalos e cavaleiros no Brasil, a nossa posição geográfica cria uma distância financeira difícil com os grande centros, a Europa e Estados Unidos. A questão sanitária (mormo) tem que ser resolvida, isso é realmente muito mais político que sanitário, seria um grande passo para uma relação mais próxima entre o hipismo nacional e o internacional.

5) Qual foi o momento mais marcante e difícil no esporte na sua carreira?

O mais marcante foi pisar na pista em Deodoro na Olimpíada do Rio, sendo o primeiro conjunto a competir no primeiro dia de provas, esse sentimento nunca vou esquecer. É complicado escolher momentos difíceis porque tive vários, esse nosso esporte é um festival de momentos difíceis! Fora das pistas, sem dúvida, o meu momento mais difícil foi morando na França, quando tive dois acidentes seguidos a cavalo, precisando passar por duas cirurgias ortopédicas importantes, o que me afastou das pistas por praticamente 1 ano.

6) Como cavaleiro que viaja muito para participar de provas de circuito internacional, nos conte uma história inusitada e que poucos saibam.

Ufa, foram muitas kkkk….. Uma chata aconteceu quando eu estava indo para o Canadá. Tínhamos um grupo de 30 cavalos, contando os dos alunos e os meus. Nesse ano especificamente, as normas de visto do Canadá tinham sido alteradas e o prazo de resposta passou de um dia para 8 semanas. Só fiquei sabendo da mudança quando fui pedir o visto seis semanas antes da data da viagem, tornando o processo uma verdadeira aventura. Consegui o visto somente uma semana após o início do concurso, assim que meus alunos e cavalos passaram a primeira semana no Canadá enquanto eu estava nos Estados Unidos lutando para viajar.

7) O que você gosta de fazer como lazer, hobby?
Adoro esporte em geral, hoje em dia jogo golfe e curto tudo que é na água. Joguei muito vôlei no passado mas não é tão fácil encontrar um grupo para jogar.

8) Qual foi a pessoa mais importante na sua formação como cavaleiro e qual o papel que o/a mesmo(a) desempenhou? Principais referências (exemplos de vida) dentro e fora do esporte.

Meu sócio, Henrique Gonzalez, que me ajudou muito, me dando a oportunidade de crescer foi indispensável e também a família H5 Stables, que me deram os meios para chegar onde estou! Os meus grandes exemplos fora das pistas são meus pais, que me deram tudo o que eu precisava de exemplo e educação para poder encarar a vida. No esporte em geral, sempre tive dois ídolos, Ayrton Senna e Michael Jordan. Como cavaleiro, Rodrigo Pessoa (BRA) e Nick Skelton (GBR) sempre me inspiraram.

9) Qual foi o cavalo mais importante na sua carreira, nos conte o motivo.

Tive muitos cavalos que foram extremamente importantes em momentos diferentes, mas sem dúvida, o Quintol foi o cavalo que me “colocou no mapa”, quem me levou aos meus primeiros Jogos Pan-Americanos e realizando meu sonho de saltar as Olimpíadas no nosso país. Além disso, saltamos dois anos em Aachen que era um sonho de criança, tivemos muitos momentos especiais!

10) Nos conte um pouco sobre a vitória por equipes no Pan-Americano de 2019 em Lima, Peru.

Foram algumas semanas muito especiais, começou na França onde fizemos a nossa concentração, o Guerdat organizou um lugar excelente onde trabalhamos os nossos cavalos com eficiência, privacidade e tranquilidade. Além disso, nos divertimos e aproveitamos de estar juntos só nós 5 com os nossos tratadores, mais ele “Guerdat” e o Rogerinho (Rogério Saito). Em Lima, éramos um grupo de 5 amigos unidos que fazíamos tudo juntos todos os dias! Do café da manhã até a janta, também fomos ver outros esportes, aprendi a surfar com Pedro Veniss (BRA) e Marlon Zanotelli (BRA), passeamos, nos concentramos para a nossa meta! Queríamos muito essa vitória, e graças a Deus e aos meus grandes companheiros de equipe, conseguimos trazer essa medalha para casa. Temos que agradecer muito à toda comissão técnica e principalmente ao Phillipe, que foi uma peça chave na nossa conquista.

2020.06.07.99.99 Profiles Eduardo Menezes HRM KR 2

Eduardo Menezes (BRA) & Magnólia Mystic Rose representando o Brasil durante a Copa das Nações dos E.U.A. CSIO 5* na Deeridge Farms em Wellington, Flórida.

11) Apesar da recente formação como conjunto, o que você nos pode falar sobre a parceria com a Magnólia Mystic Rose, égua BH que você obteve bons resultados competindo durante o Palm Beach Masters e Winter Equestrian Festival (WEF) em Wellington, Flórida, EUA?

Estou muito feliz com a parceria com o Haras Rosa Mystica, a Magnólia é uma égua fantástica, além de talentosa é uma guerreira na pista, ela dá tudo o que tem para o cavaleiro, isso é muito importante. Como você disse, somos um conjunto novo, eu acho que ainda temos muito que melhorar, essa pausa está dando tempo de conhecermos melhor sem a pressão dos resultados nos concursos.

12) Como essa parceria surgiu e quais são suas perspectivas em relação ao Jogos Olímpicos com a Magnólia Mystic Rose?

A idéia da parceria começou bem lá atrás, no final de 2018, o Juan Bolaños que estava montando a égua teve a ideia e apresentou para o Nilson Leite. Tivemos uma reunião na minha casa e já tivemos um bom contato mas finalmente não fechamos nada e seguimos cada um o nosso caminho. Voltamos a nos encontrar em Lima e falamos um pouco sobre o assunto outra vez. Voltando de Lima, a conversa continuou e começamos a estruturar como seria a nossa parceria.
Sobre Tóquio, eu acredito muito nela, tenho que trabalhar muito ainda, mas tenho fé que vamos chegar em 2021 em boa forma para disputar uma vaga. Hoje, o Brasil tem a sorte de contar com muitos conjuntos fortes para essa equipe, temos que fazer o resultado na pista para ter a chance de ser chamado. Essa é a grande vantagem do sistema atual, quem mostrar na pista que esta pronto vai ter a sua chance, isso é muito claro e contra resultados não existe argumentos. Tenho total confiança que o Brasil vai levar o melhor time possível, é o meu trabalho fazer o melhor para tentar estar nesse grupo.

13) Como cavaleiro olímpico, vencedor de provas importantes ao redor do mundo e campeão Pan-Americano por equipes, qual o conselho que você tem para os aos jovens, amadores que sonham galgar o mesmo caminho vitorioso?

Perseverança!!!! Trabalhem muito e mantenham a cabeça baixa e os pés no chão. Porém, nunca se entreguem porque é um esporte difícil, no qual temos muito mais momentos difíceis que grandes vitórias. Perseverança e disciplina são muito importantes!

Text: no reproduction without permission of Jumper News.

Sources: Eduardo Menezes / FEI

Photos: © Kathy Russell Photography via Haras Rosa Mystica / FEI – Richard Juilliart